10 de out de 2009

E s c o l h a s


Até a porta
(Maninho)
.

Quando se acende a luz
Na porta entreaberta
Fica o rastro brilhante
Que faz do quarto escuro
Janela pra se olhar
.
.
Olhar o mundo pelas portas do quintal
Passar da cerca como quem passa uma fronteira
Ganhar a rua com olhar de quem se perde
Perder o rumo com sabor de quem só ganha
.
.
E quando a hora instiga o sol a descansar
Só no contrário achar caminho pra voltar
Cruzar a rua como quem se lança ao mar
Lançar-se ao braço que no amor soube esperar.

Nenhum comentário: