30 de dez de 2010

Livro novo




















Encerra-se mais um ano em sua vida...


Quando este ano começou, ele era todo seu.


Foi colocado em suas mãos...


Podia fazer dele o que quisesse...


Era como um Livro em Branco, e nele você podia ter um poema, um pesadelo uma blasfêmia, uma oração.


Podia...


Hoje não pode mais, já não é seu.


É um livro já escrito...


Concluído...


Como um livro que tivesse sido escrito por você, ele um dia lhe será lido, com todos os detalhes, e não poderá corrigi-lo.


Estará fora de seu alcance.
Portanto...


Antes que termine este ano, reflita, tome seu velho livro e folheie com cuidado...


Deixe passar cada uma das páginas pelas mãos e pela consciência;


Faça o exercício de ler a você mesmo.


Leia tudo...


Aprecie aquelas páginas de sua vida em que usou seu melhor estilo.


Leia também as páginas que gostaria de nunca ter escrito.


Não...
Não tentes arrancá-las.


Seria inútil...


Já estão escritas.
Mas você pode lê-las enquanto escreve o novo livro que será entregue.


Assim, poderá repetir as boas coisas que escreveu, e evitar repetir as ruins.


Para escrever o seu novo livro, você contará novamente com o instrumento do livre arbítrio, e terá, para preencher, toda a imensa superfície do seu mundo.


Se tiver vontade de beijar seu velho livro, beije.


Se tiver vontade de chorar, chore sobre ele e, a seguir, coloque-o nas mãos do Criador.


Não importa como esteja...
Ainda que tenha páginas negras, entregue e diga apenas duas palavras: Obrigado e Perdão!!!
E, quando o novo ano chegar, lhe será entregue outro livro, novo, limpo, branco, todo seu, no qual irá escrever o que desejar...


FELIZ LIVRO NOVO!

(Beatriz Caldas e Eduardo)

27 de dez de 2010

O Bem Absoluto




Conhecer e viver a vontade de Deus para si





A criatura humana tem em si a capacidade de reconhecer o Bem Absoluto, que é Deus, como um bem, mas, muitas vezes, não reconhece os bens relativos ou terrenos nos seus aspectos positivos e negativos. Quando se torna escravo da liberdade anticristã, o homem se esquece de que estes bens são atraentes sob alguns aspectos, mas todos são insuficientes para saciar a necessidade que temos do Bem Infinito, que é Deus.


E, quando o homem não reconhece a transitoriedade dos bens terrenos, torna-se escravo do própria natureza, rebaixando-se a si mesmo, sem conseguir vislumbrar a quão alta vida Deus o chamou. Condicionado por fatores internos, como traumas, enfermidades, complexos, ou por fatores externos como a propaganda, por exemplo, ele pode, de certa forma, diminuir ou até extinguir sua própria liberdade de arbítrio, enquanto pensa que está caminhando para a liberdade, está em plena escravidão de si e das ideias deste mundo, rumo à autodestruição.


Infelizmente, muitos fazem depender sua escolha dos costumes, das circunstâncias que estão atravessando ou das opiniões das pessoas com quem convivem. Estes fatores, embora não tirem a liberdade de escolha do homem, restringem a capacidade de reconhecer o que é realmente bom. Outros se tornam escravos da própria razão, deixando de se abrir à novidade do CHAMADO PESSOAL de Deus para si. Há ainda os que fazem suas opções seguindo seus sentidos superficiais (estéticos, afetivos, ideológicos, etc.), esquecidos de que a felicidade do homem não está condicionada a estes valores efêmeros, como toda realidade visível, mas na realização do fim supremo para o qual veio ao mundo.
Se tivesse se deixado aprisionar por sua própria natureza, pelos costumes ou pela lógica, o Profeta Abraão jamais teria deixado sua terra, seu povo e encontrado a plenitude de sua vida. Assim também os outros Profetas, Juízes, Reis, Nossa Senhora, os Apóstolos, Paulo e todo o povo das Sagradas Escrituras resumiriam sua existência à do Jovem Rico da Bíblia, que não quis conhecer e viver a vontade de Deus para si.
O ser humano foi feito para ultrapassar a si mesmo, sua natureza, seus sentimentos, e sua razão em busca de Deus. Quem sufoca em si ou nos outros essa tendência, de alguma forma, mutila a natureza humana.

Comunidade Nova Vida.
FONTE: www.cancaonova.com/formacao

24 de dez de 2010

Natal feliz é natal com Cristo!
















O Natal só tem sentido
se o lugar de destaque é dado
ao Menino Jesus. A festa é para Ele. 
Que a alegria da chegada do Filho de Deus
invada teu coração!
.
Santo e feliz Natal!

Como Teresinha, sejamos o brinquedo do Menino Jesus...























Ao aproximar-se o tempo do Natal percebemos que uma onda de ternura começa a perpassar a mente e o coração dos cristãos, especialmente daqueles que procuram levar sua vida espiritual mais a sério. Para os que estão engolfados apenas na realidade transitória da vida, pensando apenas no prazer, no ter e no parecer, talvez não parem para pensar no verdadeiro sentido do Natal e fiquem somente ocupados com a ceia, os presentes, a festa, a bebida, etc. Mas a onda de ternura existe e contagia os corações dos que crêem em Deus, pois podem mergulhar, com a fantasia e a meditação, no mistério de um Deus que deixa o céu e vem se fazer uma criança entre nós. A arte em todos os séculos e em suas diversas manifestações tem ilustrado esta realidade nos oferecendo presépios para todos os gostos e idades. A atenção da humanidade passa a se concentrar em uma criança – e que criança – e nela, singela e frágil, vê Aquele que sustenta o universo com seu poder e força.
 
Santa Teresinha do Menino Jesus foi alguém que mergulhou neste mistério e hauriu dele muito de sua espiritualidade. Seu próprio nome traz a memória do Natal e em sua doutrina da infância espiritual podemos ver muitos frutos da meditação deste mistério da vida de Jesus. Ao falar com sua Madre Priora sobre seu “pequeno caminho” para a santidade Teresinha diz: “Minha Madre, o caminho que desejo trilhar é o caminho da confiança e do total abandono” (HA 12). E ao apresentar este caminho ela nos convida a sermos crianças, ou seja, como as crianças esperam tudo de seus pais e nada podem por si mesmas, assim também devemos esperar tudo do Pai do céu.

“Quanto a mim, diz Teresinha numa carta, acho a perfeição fácil de praticar, porque entendi que é só pegar Jesus pelo Coração... Veja uma criancinha que acaba de aborrecer a sua mãe, zangando-se ou desobedecendo-lhe; se ela se esconder num canto com ar amuado e gritar por medo do castigo, certamente, a mãe não lhe perdoará a falta; mas se lhe estende os seus bracinhos sorrindo e dizendo: ‘dê-me um beijo, não o farei mais’, poderá a mãe não apertá-la ao seu coração com ternura e esquecer as faltas infantis?... Todavia ela bem sabe que seu querido filho recairá na próxima ocasião, mas isso não importa, se ele a prende de novo pelo coração, jamais será castigado...” (Carta 191).

A espiritualidade da infância espiritual está inerente à vida de Santa Teresinha. Quando se pensa na santa, instintivamente se pensa no ser criança diante de Deus. E esta espiritualidade tem como característica básica sua devoção ao Menino Jesus. Esta devoção não foi apenas mais uma devoção na vida da carmelita de Lisieux, mas tem uma importância especial, pois traduz e aprofunda sua “pequena via”, onde a humildade, a pureza e a simplicidade da criança são elementos essenciais.

Brinquedinho do Menino Jesus

Ao entrar no Carmelo Santa Teresinha recebeu a incumbência de ornar com flores uma imagem do Menino Jesus e ficava feliz quando recebia flores para este fim, dizendo que era Ele, o Menino Jesus, quem pagava suas dívidas. Já doente Teresinha oferecia as uvas e o vinho ao Menino Jesus e gostava de acariciar a sua imagem. Não há dúvida que a infância de Jesus acompanhou Teresinha toda a sua vida, ainda que ela sempre a unisse à paixão do Senhor, daí o significado profundo de seu nome “do Menino Jesus e da Sagrada Face”.

Mas para mim uma das maiores provas da maturidade humano-espiritual de Teresinha foi o fato de ter-se oferecido para ser o “brinquedinho do Menino Jesus.” À primeira vista pode parecer uma atitude infantil e sem sentido, porém, se pensamos no que significa isto na prática vemos que ultrapassa em muito o infantilismo e nos lança numa verdadeira prova de fé.

Diz a Santa: “Havia algum tempo oferecera-me ao Menino Jesus para ser seu brinquedinho. Tinha-lhe dito para não me usar como brinquedo caro que as crianças só podem olhar sem ousar tocar, mas como uma bola sem valor que podia jogar no chão, dar pontapés, furar, largar num cantinho ou apertar contra seu coração conforme achasse melhor; numa palavra, queria divertir o Menino Jesus, agradar-lhe, queria entregar-me a suas manhas de criança... Ele aceitou minha oferta... Em Roma, Jesus ‘furou’ seu brinquedinho. Queria ver o que havia dentro e, depois de ver, contente com sua descoberta, deixou cair sua pequena bola e adormeceu... Que fez durante o sono e que foi feito da bola deixada de lado?... Jesus sonhou que continuava brincando com sua bola, deixando-a e retomando-a, e que, depois de deixá-la rolar muito longe, a apertou no seu coração, não permitindo mais que se afastasse de sua mãozinha... Compreendeis, querida Madre, quanto a pequena bola ficou triste ao ver-se largada... Mas eu não deixava de esperar contra toda a esperança.”(MA 64f)

Ser um brinquedo nas mãos do Menino Jesus não seria um belo convite para nos preparar para o Natal? Quantas vezes nos vemos num túnel escuro sem ver onde termina e sem uma fresta de luz, ou ainda vemos nossa vida se tornar um labirinto de problemas aparentemente sem solução, ou mesmo sentimo-nos mergulhados num mar de solidão e desânimo! Pensemos que este brinquedo está sendo “furado” para se ver o que tem dentro, está sendo aparentemente esquecido por um tempo, mas que tudo isto é sinal de que é um brinquedo amado e desejado pelo Menino Jesus. Ele joga com suas bolinhas como quer porque sabe que elas não são frágeis brinquedos de enfeite, mas possuem a força da fé suficiente para resistir e continuar sendo Dele.

Para nós hoje, o amor e devoção ao Menino Jesus não devem se basear apenas nos sentimentos. Os sentimentos são belos, necessários e nos estimulam, mas precisamos transformá-los em ações concretas. Amar o Menino Jesus é procurar em primeiro lugar imitá-lo em seu despojamento, simplicidade, confiança no Pai, em sua bondade e seu amor. Foi só por amor que Ele se encarnou e veio morar entre nós. Amá-lo é também procurar vê Sua imagem em toda pessoa pequena, pobre, sofredora, necessitada de nossa ajuda e nosso amor.

Santa Teresinha não só amava seu Menino Jesus, mas quis ser toda Dele e deixar-se brincar por Ele. Assim desejo que este Natal seja para todos nós: uma entrega total e incondicional nas mãos do Menino Jesus, traduzida em gestos concretos de fraternidade para com o próximo.

Irmã Maria Elizabeth da Trindade, ocd






21 de dez de 2010

Herói ou otário?
















Há alguns meses, surpreendi-me com uma afirmação da médica e escritora Ana Beatriz Barbosa Silva: O herói de ontem tornou-se o otário de hoje. Algo fez um “clic” dentro de mim, certa de que ela havia expressado algo que muitos percebem e poucos conseguem descrever. Onde estão os heróis? Onde os homens e mulheres cheios de virtudes e coragem? Onde os que dão a própria vida para salvar outros? Bem, aqui e ali se vê algum, exaltado pelo telejornal em um “ato humanitário”,mas a maioria, mesmo, aqueles que vivem o dia a dia longe das câmeras, esses são conhecidos como otários.

Se alguém ouve um grito de “socorro”, logo se encolhe, ou se joga no chão com medo de bala perdida. Um ou outro mais corajoso, esconde-se atrás da porta e liga para a polícia do celular. Socorrer, porém, quase ninguém socorre.

Presencia assalto na rua? Ah! Agora, sim, se faz algo como antigamente: correr o mais rápido possível. Só que, antigamente, se corria para ajudar a vítima, agora, corre-se para o lado oposto. Ou alguém vai ser otário de se meter entre o ladrão e a vítima? Nem pensar! Gritar “pega ladrão”? Só se for muito otário! Agarrar o braço do cara que está com a mão dentro da bolsa da senhora que se equilibra no ônibus? Otário!

E socorrer alguém que foi atropelado, assaltado, jogado no asfalto? Nem pensar! Pode ser um truque para pegar um otário que pare para socorrer. Dar carona? Pensa que sou otário? Mas, e se for uma carona para uma senhora idosa que está se arrastando em direção ao posto de saúde? Mas, que pergunta! Só um otário faria isso. Não vê que é truque para pegar alguma mente muito embotada? E se for um carro acidentado com alguém ensangüentado fazendo sinal no acostamento da estrada? Truque, otário. É ketchup e assalto na certa.

Certo dia, um homem foi assaltado e deixado ferido no meio da estrada. Passaram por ele um sacerdote e um levita, apressados para chegar à oração, e não foram otários. Não pararam para socorrê-lo. Afinal, heroísmo tem hora. Quem mandou ser assaltado e ferido logo ali na passagem deles?

Depois dos dois “homens de Deus”, passou um antipatizado por todos. Era estrangeiro e nem conhecia o lugar direito. Não conseguiria, porém, deixar aquele ferido sem socorro. Colocou-o em seu transporte, cuidou das feridas e ainda arranjou quem cuidasse dele até sua volta da viagem interrompida. Havia perdido um tempo enorme com aquele bagaço de homem, mas não se considerou otário. Aliás, nem otário nem herói. Apenas fez o que gostariam que fizessem com ele.

Uma noite, após um acidente, vi-me na estrada, com dois irmãos ensangüentados junto a mim e, logo atrás, um boi que havia “voado” quando pego por nosso carro. Era muito óbvio que havíamos tido um acidente. Eu e o rapaz, acenávamos para cada carro que passava, tentando conseguir ajuda para sua esposa, sangrando, encostada ao carro. Ninguém parou.

Não sei se você sabe o que isso significa, mas eu sei. Já fui o ferido a pedir socorro na estrada.

O segredo certamente é este: fazer aos outros o que gostaria que fosse feito a você caso estivesse na mesma situação. Ser um irmão, não um desconhecido, uma máscara na multidão. O herói é irmão, tem nome, endereço, coração, solidariedade, compaixão. O otário é... bem, um otário, mesmo. Um egoísta, individualista, sem nome, sem endereço, sem coração, indiferente ao sofrimento do outro.

O otário está pronto para assistir, impávido, o outro morrer, desde que salve sua pele. Enche-se de uma covardia bem conhecida, que vem do egoísmo. O herói está disposto a arriscar a própria vida para ajudar o outro. Enche-se de uma coragem desconhecida, que vem do amor. Essa é a definição correta, evangélica, verdadeira do herói. Foi isso o que Jesus fez, por amor. Infelizmente, foi isso o que esquecemos, a tal ponto que cometemos o lamentável engano de classificar como otário quem, na mentalidade do Evangelho, é herói.
por Emmir Nogueira, Co-Fundadora da Comunidade Shalom


16 de dez de 2010

O melhor presente é ser presença




Não podemos deixar de fazer o amor acontecer






O fim do ano é sempre um tempo de alegria e esperança: alegria por tudo aquilo que conquistamos durante todo este ano de 2010 e esperança para tudo que nos aguarda em 2011. Neste tempo, lembramo-nos de tudo que nos aconteceu e também das pessoas que entraram em nossa vida, nos fizeram felizes, dividiram conosco momentos felizes, algumas, com certeza, se casaram, outras tiveram a alegria de ter um filho (talvez aquele tão esperado há muito tempo), entraram na faculdade, muitas encontraram verdadeiros amigos que as ajudaram a vencer um sofrimento, uma dor, a encontrar a direção perdida pelo caminho e, assim, a vencer diversas dificuldades.
Nas proximidades do Natal e do Ano Novo, surge em nós o desejo de demonstrar nossa gratidão e amor por meio de um gesto concreto, de um presente que seja, ao mesmo tempo, útil para a pessoa que o recebe e que possa ter também um pouco de nós, que expresse nossa relação pessoal, nosso afeto por ela. Como encontrar o melhor presente então?

Hoje, nosso mundo é marcado fortemente pelo consumismo, que progressivamente gera nas pessoas um sentimento profundo de insatisfação com aquilo que se tem, o forte desejo de ter algo diferente, algo novo. Isso influencia até mesmo em nossa vida prática, pois tantos querem uma novidade em suas vidas, sonham com grandes mudanças e, por vezes, sentem-se sozinhos, porque não têm tempo de olhar para os lados e ver as pessoas que eles amam e que convivem com eles. Queremos sempre dividir nossa felicidade com nossos amigos.

Nós construímos uma família, uma amizade com nossa capacidade de entrelaçar nossas vidas, nossos sonhos, etc. É isso que nos faz verdadeiramente mais fortes. Nossa presença fortifica os outros, especialmente os que mais amamos, e a presença deles nos fortifica também. Somos fortes por sermos juntos.

Em um mundo no qual há tanto a se fazer, não podemos deixar de fazer também o amor acontecer, assim como não devemos nos deixar controlar demais pelas obrigações e sonhos simplesmente, mas encontrar espaço para dar o presente de nossa presença.

Na verdade, o melhor presente é ser presença. Não qualquer presença, mas a presença que acrescenta algo melhor à vida dos outros. E como ser presença?

Devemos ser presença na vida daqueles que amamos para que sintam nosso amor. Para uma missão assim grande, talvez necessitemos do ano de 2011 inteiro, por isso comecemos por aqueles que são mais próximos de nós. Nossos familiares, nossos amigos, oferecendo a eles o que temos de melhor para dar, o presente de nossa presença, nosso afeto manifestado em uma boa conversa, lembrando-nos do que Deus tem realizado de bom em nossa vida.

Escolha o presente certo, dê a presença de bom humor, e da alegria que possui muitas expressões visíveis nos detalhes. Conceda a presença que demonstra gratidão.

A quantos precisamos agradecer e ainda não o fizemos? Quantos merecem nossos elogios e por algum motivo ainda não os elogiamos?

Presença que traz paz e harmonia. Como a presença de um pai e uma mãe que, em casa, semeiam a paz, o diálogo, dando aos filhos mais que sonhos, dando-lhes valores. É bonito ver uma família em que os filhos sonham em ser pais, como seus pais o são. Infelizmente, muitos não têm a oportunidade de viver isso.

Volto a dizer que o presente é bem-vindo, é uma demonstração do afeto, mas a presença é o melhor presente, porque é o próprio afeto!


Deus os abençoe!

Padre Xavier
Comunidade Canção Nova

11 de dez de 2010

Recomeços















Sempre é tempo de recomeçar. A todo instante a vida nos dá oportunidade para acertarmos naquilo que talvez olhamos depressa demais e não colocamos a atenção necessária. E ainda que as consequências de nossas escolhas não sejam tão positivas assim, Deus sempre nos dá uma nova oportunidade.
.
Nesta vida nada está pronto ou acabado. Nada é imutável. Só Deus é eterno. Mas Ele, sabendo de nossa fragilidade, não hesita em nos socorrer quando não damos "conta do recado". E nos perdoa.
.
O Senhor está sempre disposto a nos acolher em nossas fraquezas, pois Ele nos propõe sempre o recomeço: começar de novo, de onde parou. Só nos convida a aprendermos com os erros e acontecimentos. Se for necessário, a Igreja nos recomenda a Confissão para sermos libertos daquilo que antes nos escravizava, para sermos livres em Cristo Jesus.
.
Que o Deus dos recomeços nos auxilie a buscar sempre olhar para a frente, com os olhos fixos n'Ele, e dispostos a aprender com os erros e querer acertar, para que nos tornemos a Sua Imagem e Semelhança.

FELIZ NATAL



P A Z


A M O R

S  A Ú D  E

A L E G  R I A

B  O N  D A D  E

M  A  N  S  I  D  Ã  O

P  A   C  I   Ê   N   C   I  A

B  E  N  I  G  N  I  D  A  D  E

L  O  N  G  A  N  I  M  I  D  A  D  E

ESTES
SÃO
OS
MEUS
DESEJOS
PARA VOCÊ
NESTE NATAL
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


10 de dez de 2010

A escolha...



















Ou Isto Ou Aquilo  Cecília Meireles
.

Ou se tem chuva e não se tem sol,


ou se tem sol e não se tem chuva!


Ou se calça a luva e não se põe o anel,


ou se põe o anel e não se calça a luva!


Quem sobe nos ares não fica no chão,


quem fica no chão não sobe nos ares.


É uma grande pena que não se possa


estar ao mesmo tempo nos dois lugares!


Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,


ou compro o doce e gasto o dinheiro.


Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo...


E vivo escolhendo o dia inteiro!


Não sei se brinco, não sei se estudo,


se saio correndo ou fico tranqüilo.


Mas não consegui entender ainda


qual é melhor: se é isto ou aquilo.

Significado da Coroa do Advento
















A coroa do Advento e seu significado

Simboliza a eternidade e sua cor representa a esperança e a vida

Deus se faz presente na vida de todo ser humano e de todas as formas deixa-nos sentir Seu amor e desejo de nos salvar. A palavra ADVENTO é de origem latina e quer dizer CHEGADA. É o tempo em que os cristãos se preparam para a vinda de Jesus Cristo. O tempo do Advento abrange quatro semanas antes do Natal.

Atualmente há uma grande preocupação em reavivar este costume muito significativo e de grande ajuda para vivermos este tempo. A coroa ou a grinalda do Advento é o primeiro anúncio do Natal. É um círculo de folhagens verdes, sua forma simboliza a eternidade e sua cor representa a esperança e a vida. Vem entrelaçado por uma fita vermelha, símbolo tanto do amor de Deus por nós como também de nosso amor que aguarda com ansiedade o nascimento do Filho de Deus.

No centro do círculo se colocam as quatro velas para se acender uma a cada domingo do Advento. A luz das velas simboliza a nossa fé e nos leva à oração, e simbolizam as quatro manifestações de Cristo:

1° Encarnação, Jesus Histórico;

2° Jesus nos pobres e necessitados;

3° Jesus nos Sacramentos;

4° Parusia: Segunda vinda de Jesus.

No Natal se pode adicionar uma quinta vela branca, até o término do tempo natalino e, se quisermos, podemos pôr a imagem do Menino Jesus junto à coroa: temos que nos atentar, porém, que o Natal é mais importante do que a espera do Advento.

Essa coroa é originária dos países nórdicos (países escandinavos, Alemanha), a qual contém raízes simbólicas universais: a luz como salvação, o verde como vida e o formato redondo como eternidade.

Simbolismos estes que se tornaram muito adequados ao mistério natalino cristão, e que por isso, adentraram facilmente nos países sulinos. Visto que se converteram rapidamente em mais um elemento de pedagogia cristã para expressarmos a espera de Jesus como Luz e Vida, em conjunto com outros símbolos, certamente mais importantes, como são as leituras bíblicas, os textos de oração e o repertório de cantos.

O comércio e o sistema deste mundo fazem questão de esquecer o verdadeiro sentido do Natal e nós podemos cair nessa, mas é possível dar presente e celebrar o verdadeiro sentido: O Menino Jesus é o nosso grande presente!

Sugestão: você pode fazer uma coroa do Advento em sua casa e celebrar com sua família à luz da nossa fé a chegada de Jesus Cristo nosso Salvador. E a cada domingo ir acendendo as velas, convidando seus familiares para rezar.

Oração: Senhor Jesus, celebrar o teu Natal é fazer da minha vida, da minha casa, um lugar de eternidade e salvação. Que a Tua luz brilhe em cada coração. Acendendo cada vela desta coroa do Advento queremos acender a esperança, o amor, a fraternidade e a Salvação que é o grande presente que queremos dar a todos que amamos por intermédio do Menino Jesus, que vai nascer em nossa família.

Como você se prepara para celebrar esta grande festa do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo? Clique em comentários e diga como você vive este tempo litúrgico? Natal feliz é Natal com Cristo!



Padre Luizinho - Comunidade Canção Nova

http://blog.cancaonova.com/padreluizinho/

9 de dez de 2010

Graça única



"Mais um dia? Não, o dia! A vida não pode ser repetição.
Ainda que tudo esteja igual, eu não preciso ser."

(Pe. Fabio de Melo)

2 de dez de 2010

Aprender a olhar













"Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas,
que estão diante de cada janela, uns dizem que essas
coisas não existem, outros que só existem diante das
minhas janelas, e outros, finalmente, que é preciso
aprender a olhar, para poder vê-las assim."
.
(Cecília Meireles)

28 de nov de 2010

Contrários

http://www.youtube.com/watch?v=3GI1Ck-A5VM



CONTRÁRIOS - PE. FÁBIO DE MELO

Só quem já provou a dor
Quem sofreu, se amargurou
Viu a cruz e a vida em tons reais
Quem no certo procurou
Mas no errado se perdeu
Precisou seber recomeçar.

Só quem já perdeu na vida sabe o que é ganhar
Porque encontrou na derrota o motivo pra lutar
E assim viu no outono a primavera
Descobriu que é no limite que a vida faz crescer.

Que o verso tem reverso
Que o direito tem o avesso
Que o de graça tem seu preço
Que a vida tem contrários
E a saudade é um lugar que só chega quem amou
E que o ódio é uma forma tão estranha de amar

Que o preto tem distâncias
Que o esquerdo tem direito
Que a resposta tem pergunta
E o problema solução
E que o amor começa aqui no contrário que há em mim
E a sombra só existe quando brilha alguma luz.

Só quem soube duvidar, pôde enfim acreditar
Viu sem ver e amou sem aprisionar
Que no pouco se encontrou
Aprendeu multiplicar
Descobriu o dom de eternizar

Só quem perdoou na vida sabe o que é amar
Porque aprendeu que o amor só é amor
Se já provou alguma dor e assim viu grandeza na miséria
Descobriu que é no limite que o amor pode nascer.

21 de nov de 2010

Ele está a caminho!



















[Crédito post: vidaecastidade.blogspot.com]

20 de nov de 2010

Santidade: 'Se Jesus quer, eu também quero'!

Testemunho de Dom Salvador Paruzzo.

No dia 25 de Setembro foi beatificada uma jovem italiana, Chiara Luce Badano. Uma jovem nascida em 1971 que aos 18 anos ficou tomada por um câncer que a levou a morte depois de um ano em 1990.

Enquanto acompanhava a celebração da beatificação, pela televisão, fiz a ela um pedido: “Chiara Luce, neste dia em que a Igreja celebra a tua festa, concedi-me a graça da saúde”.


Ouvindo a homilia do Arcebispo algo me impressionou muito. Quando os médicos revelaram a Chiara Luce a doença que ela tinha, voltando para casa entrou no seu quarto, se jogou na cama e ficou chorando por um bom tempo. Depois saindo do quarto, ela que participando dos encontros Gen (Geração Nova do Movimento dos Focolares) tinha descoberto o amor de Deus e escolhido Jesus Abandonado como medida maior do amor, á sua mãe disse com decisão: “Se Jesus o quer, também eu quero”. Iniciando a viver esta doença como a missão que Jesus lhe tinha confiado.


Estas palavras foram a resposta de Chiara Luce ao meu pedido. Também eu disse a Jesus: “Jesus, se tu queres também eu quero.”


Este período está sendo muito frutuoso. Ser Bispo na verdade não é somente organizar a evangelização, animar o clero e os religiosos, incentivar os leigos, celebrar etc. antes de mais ser Bispo é tomar cada dia a cruz com Jesus, é oferecer ao Pai com Jesus alegrias e sofrimentos, mais que fazer muita coisa é “completar na minha carne aquilo que falta á paixão de Cristo pelo bem da Igreja”.


Esta atitude de aceitação da cruz e de oferta foi preparada pelo retiro espiritual ao qual participei na Suíça. Um banho de espiritualidade entre as montanhas de Saint Maurice e Beex. Com mais de 50 Bispos vindos de tantas nações: Coréia, Filipinas, Tailândia, Índia, Paquistão, Síria Líbano, África, Madagascar, varias nações da Europa, Canadá, Argentina e Brasil.


Oração, estudo, partilha de experiências, passeios: 10 dias de Tabor, como reza uma canção: “raiz na terra, pensamento no céu, humanidade no coração”. O tema central do nosso retiro nos impulsionou a “Responder ao amor de Deus fazendo a Sua vontade”.


No final tinha de voltar de Saint Maurice até o aeroporto de Zurique.


De manhã cedo um jovem se prontificou para acompanhar-me á estação do trem. Daí a pouco chegou outro jovem amigo e os dois esperaram o trem sair para continuar abanando seus lenços. Tive a impressão de ver os dois Anjos que no sepulcro apareceram a Maria Madalena, convidando-a a não chorar, pois Jesus ressuscitou.


No trem sentou ao meu lado um homem de origem turca, conversamos um pouco em francês e quando chegamos a estação de Lousanna, teu tinha que trocar de trem. Porém com as várias malas não era fácil para mim. Espontaneamente aquele turco, não somente me ajudou a carregar as malas, mas me acompanhou até o outro trem, e esperou que partisse, antes de continuar a sua viagem. Em Genebra foi um jovem suíço, que espontaneamente me ajudou a carregar as malas para trocar de trem para ir até o aeroporto. Espontaneamente lembrava o Salmo 33 “Deus coloca seus Anjos para te proteger no caminho”.


No dia 7 de Agosto fui para a Sicília, a minha terra, para conviver com os meus familiares.


Foi também uma bela ocasião de encontrar Bispos, sacerdotes, os familiares dos padres Fidei Donum que trabalham em nossa diocese, Pe. Giovanni Giglio e Pe. Giovanni Battaglia.


Primeira cruz


Depois de alguns dias (10 de Agosto) eis que inesperadamente iniciou uma dor no joelho e na perna, um médico amigo logo veio me ajudar com alguns remédios. Depois de alguns dias surgiram bolhas que se espelharam por toda a perna direita, enquanto continuavam as dores. Procurei uma dermatóloga que me orientou com vários remédios.


Voltando para o Brasil procurei um médico de confiança. Explicou-me que se tratava provavelmente de Herpes Zoster e que precisava alguns meses para se restabelecer.


Aconselhado por um amigo fui fazer algumas sessões de acupuntura. Mas realmente para este problema precisa tempo para se reconstituir a cobertura dos nervos atingidos.


Agora estou fazendo fisioterapia.


Segunda cruz


No entanto chegou outra notícia: o Ecônomo da Diocese, o Comendador Francisco Rodrigues Pinha, por causa de um enfarte faleceu. O Senhor Pinha meu grande colaborador e amigo, com o qual caminhamos juntos ao longo destes 11 anos de vida da diocese. Certamente já realizou a sua missão e Deus o chamou para a sua Casa.


Terceira cruz


Depois de chegar ao Brasil me comunicaram que um religioso responsável de uma paróquia, por motivos físicos e psicológicos deixou a paróquia.


Hoje continuo a recuperação com tranqüilidade. É tempo de celebrar o Sacramento da Crisma, o Vigário Geral substitui. Aos encontros os Bispos no Regional e no Sub Regional, vai o Vigário da Pastoral.


Quero agradecer a compreensão dos padres e a todos àqueles que se uniram numa corrente de oração pela minha saúde.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -


por Dom Salvador Paruzzo
(Aprendendo com a Beata Chiara Luce - Se Jesus quer, também eu quero! 2010-11-16)
FONTE: http://www.comshalom.org/formacao/exibir.php?form_id=4958
 Santa Chiara Luce, rogai por nós!

12 de nov de 2010

Prioridades


















"A vida é bela para quem sabe priorizá-la, (...) é no agora
que temos a possibilidade de reescrever nossa história,
mudando a direção em que empregamos nosso tempo e
nossas energias.
Quem ama consegue encontrar tempo para aqueles que
realmente são impportantes. Quem ama sabe priorizar.
A virtude mora na escolha... certa é claro.
Amar é escolher o essencial."
.
ADRIANO ZANDONÁ - Comunidade Canção Nova
(Tx. Amar é escolher o essencial - www.cancaonova.com/formacao)

Correndo atrás dos Sonhos...














Quero partilhar com vocês (que leem meu blog) algo que
tem se tornado muito importante para mim e que tem dado
novo sentido em minha vida.
.
Estou no 4º período de Pedagogia, e dias atrás fiz meu
estágio em Educação Infantil e, fiquei feliz por poder
ver como "funciona" a sala de aula.  Ainda que tenha
me sentido insegura com o novo e receosa algumas
vezes, foi muito bom. As crianças são lindas e me
ensinaram tanto!
.
Como foi bom estar rodeada por aquelas pequenas pessoas
que são tão grandes de coração e tão cheias de vida, e que
transmitem tanta alegria...
.
Bom... é isso. Quis dizer um pouco mais de mim, de minhas
coisas, com vocês. Paz e Bem.
.
.
Polyana Zavariz.

1 de nov de 2010

A celebração da festa de todos os Santos







Neste dia a Igreja militante honra a Igreja triunfante.











No dia 1º de novembro, a Igreja celebra a festa de Todos os Santos. Segundo a tradição, ela foi colocada neste dia, logo após 31 de outubro, porque que os celtas ingleses - pagãos -, celebravam as bruxas e os espíritos que vinham se alimentar e assustar as pessoas nesta noite (Halloween).


Nesse dia, a Igreja militante (que luta na Terra) honra a Igreja triunfante do Céu “celebrando, numa única solenidade, todos os Santos” – como diz o sacerdote na oração da Missa – para render homenagem àquela multidão de Santos que povoam o Reino dos Céus, que São João viu no Apocalipse: “Ouvi, então, o número dos assinalados: cento e quarenta e quatro mil assinalados, de toda tribo dos filhos de Israel. Depois disso, vi uma grande multidão que ninguém podia contar, de toda nação, tribo, povo e língua: conservavam-se em pé diante do trono e diante do Cordeiro, de vestes brancas e palmas na mão". "Esses são os sobreviventes da grande tribulação; lavaram as suas vestes e as alvejaram no sangue do Cordeiro.” (Ap 7,4-14)

Esta imensa multidão de 144 mil, que está diante do Cordeiro, compreende todos os servos de Deus, aos quais a Igreja canonizou através da decisão infalível de algum Papa, e todos aqueles, incontáveis, que conseguiram a salvação, e que desfrutam da visão beatífica de Deus. Lá “eles intercedem por nós sem cessar”, diz uma de nossas Orações Eucarísticas. Por isso, a Igreja recomenda que os pais ponham nomes de Santos em seus filhos.


Esses 144 mil significam uma grande multidão (12 x 12 x 1000). O número doze e o número mil significavam para os judeus antigos plenitude, perfeição e abundância; não é um valor meramente aritmético, mas simbólico. A Igreja já canonizou mais de 20 mil santos, mas há muito mais que isto no Céu. No livro 'Relação dos Santos e Beatos da Igreja', eu pude relacionar, de várias fontes, quase 5mil dos mais importantes; e os coloquei em ordem alfabética.


A "Lúmen Gentium" do Vaticano II lembra que: "Pelo fato de os habitantes do Céu estarem unidos mais intimamente com Cristo, consolidam com mais firmeza na santidade toda a Igreja. Eles não deixam de interceder por nós junto ao Pai, apresentando os méritos que alcançaram na terra pelo único mediador de Deus e dos homens, Cristo Jesus. Por seguinte, pela fraterna solicitude deles, a nossa fraqueza recebe o mais valioso auxílio” (LG 49) (§956).

Na hora da morte, São Domingos de Gusmão dizia a seus frades: “Não choreis! Ser-vos-ei mais útil após a minha morte e ajudar-vos-ei mais eficazmente do que durante a minha vida”. E Santa Teresinha confirmava este ensino dizendo: “Passarei meu céu fazendo bem na terra”.


O nosso Catecismo diz que: “Na oração, a Igreja peregrina é associada à dos santos, cuja intercessão solicita” (§2692).


A marca dos santos são as bem–aventuranças que Jesus proclamou no Sermão da Montanha; por isso, este trecho do Evangelho de São Mateus (5,1ss) é lido nesta Missa. Os santos viveram todas as virtudes e, por isso, são exemplos de como seguir Jesus Cristo. Deus prometeu dar a eterna bem-aventurança aos pobres no espírito, aos mansos, aos que sofrem e aos que têm fome e sede de justiça, aos misericordiosos, aos puros de coração, aos pacíficos, aos perseguidos por causa da justiça e a todos os que recebem o ultraje da calúnia, da maledicência, da ofensa pública e da humilhação.


Esta 'Solenidade de Todos os Santos' vem do século IV. Em Antioquia, celebrava-se uma festa por todos os mártires no primeiro domingo depois de Pentecostes. A celebração foi introduzida em Roma, na mesma data, no século VI, e cem anos após era fixada no dia 13 de maio pelo papa Bonifácio IV, em concomitância com o dia da dedicação do “Panteon” dos deuses romanos a Nossa Senhora e a todos os mártires. No ano de 835, esta celebração foi transferida pelo papa Gregório IV para 1º de novembro.


Cada um de nós é chamado a ser santo. Disse o Concilio Vaticano II que: “Todos os fiéis cristãos, de qualquer estado ou ordem, são chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade” (Lg 40). Todos são chamados à santidade: “Deveis ser perfeitos como vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48): “Com o fim de conseguir esta perfeição, façam os fiéis uso das forças recebidas (…) cumprindo em tudo a vontade do Pai, se dediquem inteiramente à glória de Deus e ao serviço do próximo. Assim, a santidade do povo de Deus se expandirá em abundantes frutos, como se demonstra luminosamente na história da Igreja pela vida de tantos santos” (LG 40).


O caminho da perfeição passa pela cruz. Não existe santidade sem renúncia e sem combate espiritual (cf. 2Tm 4). O progresso espiritual da oração, mortificação, vida sacramental, meditação, luta contra si mesmo; é isto que nos leva gradualmente a viver na paz e na alegria das bem-aventuranças. Disse São Gregório de Nissa (†340) que: “Aquele que vai subindo jamais cessa de ir progredindo de começo em começo por começos que não têm fim. Aquele que sobe jamais cessa de desejar aquilo que já conhece” (Hom. in Cant. 8).


Felipe Aquino.
(FONTE: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=12068)






24 de out de 2010

Sugestão de Leitura




















HISTÓRIA DE UMA ALMA
Autobiografia de Santa Terezinha do Menino Jesus e da Sagrada Face
.
História de uma alma é um manuscrito autobiográfico de Maria Francisca Teresa Martin imortalizada na história da Igreja como Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face, o qual é dividido em três manuscritos distintos (A, B e C) destinados respectivamente à: Madre Inês de Jesus, Irmã Maria do Sagrado Coração de Jesus, Madre Maria de Gonzaga. Cada um destes manuscritos trata do mesmo assunto. O Manuscrito muito mais do que uma Biografia é um itinerário da vida espiritual desta Doutora da Igreja. Ao narrar os fatos de sua vida, desde a infância até seus últimos dias, vemos o Amor misericordioso de Deus, que se manifestou na sua vida, lendo as páginas do livro não apenas com um olhar raso, mas um olhar contemplativo vamos percebendo que ela viveu de fato o que ela desejava ser: um “brinquedo velho” mas mãos do Menino Jesus, do qual Ele pudesse fazer tudo o que lhe fosse agradável. É possível perceber também que ao contrario das autobiografias modernas, Santa Teresinha não procura fazer de seus manuscritos uma exaltação de si mesma, mas sim deixar um testemunho de uma vida inteiramente consagrada ao Senhor.



Santa Teresinha nasceu em Alençon, na França em Janeiro de 1873, filha de pais católicos fervorosos Azélia Maria e Luís Martin (beatificados pelo papa Bento XVI) que lhe transmitiram uma boa educação na Fé, tanto que todas as filhas do casal se tornaram religiosas. Nesse ambiente de fé fervorosa Teresa percebeu desde a tenra idade o chamado do Senhor à vida consagrada no Carmelo. Inúmeras dificuldades se antepuseram à sua entrada no Carmelo, principalmente a sua pouca idade, mas confiante na bondade de Deus e com certeza de sua vocação soube esperar o seu momento, o qual chegou. Viveu sua vida no Carmelo tendo como um de seus propósitos rezar pela santificação dos sacerdotes. Apesar de ter morrido cedo deixou na Igreja um exemplo de santidade a ser seguido.

Durante a leitura do livro vai-se percebendo que Santa Teresinha não viveu nada de extraordinário como muitos pensam acerca dos santos. Mas ao contrário nas pequenas coisas e nos fatos comuns da vida ela foi tomando consciência de sua vocação e respondendo o seu SIM, ao chamado de Deus, ao qual ela tinha grande alegria de se considerar esposa.

Algumas passagens do livro chamam a atenção por demonstrar tão claramente a espiritualidade desta santa mulher, a Florinha Branca do Senhor, cito aqui por exemplo uma passagem que me chamou muito a atenção e me levou a refletir o verdadeiro sentido da vida cristã, que é a vocação à santidade: “Não desejo ser santa pela metade.” Uma exortação sempre tão atual para que possamos nos interrogar se estamos vivendo a santidade que o Senhor nos pede. Outro trecho de bastante significância é no qual ela diz: “No coração da Igreja, minha Mãe, serei o amor... Assim serei tudo... Assim se realizará o meu sonho!!!... O Amor é este vínculo da perfeição que Teresinha soube descobrir e viver, com esta reflexão surge a indagação no coração: Será que nós também estamos vivendo o Amor ao qual o Senhor me chama? Esta reflexão deve ser repetida no nosso coração sempre para que assim como Terezinha possamos exclamar o desejo de ser o Amor no seio da Igreja.

A Vida de Santa Teresinha também chama atenção em um aspecto: a santidade do ambiente familiar no qual ela vivia, percebe-se durante toda a leitura do livro o amor fraterno que ela tinha por suas irmãs, que também eram religiosas; também no tão grande amor que ela nutria por seu pai, a ponto de constantemente chamá-lo de “meu Rei”. Vê-se aí a necessidade de cultivar nas famílias esse sentimento de amor a Deus e ao próximo, e desenvolver desde a menor idade a formação cristã para as crianças. Santa Teresinha floresceu na fé porque teve quem a adubasse e regasse com os preceitos divinos e o exemplo de vida.

Santa Teresinha viveu o mistério do sofrimento em sua vida desde a separação de suas irmãs que entraram no Carmelo antes dela até na aridez que experimentou já no Carmelo; mesmo assim resignada e com alegria no coração, pois sempre oferecia esse sofrimento pela santificação dos sacerdotes, deixando assim o exemplo de saber aceitar o mistério da dor na nossa vida e tirar deste o ensinamento necessário para nossa caminhada de fé.

Após viver na sua vida a santidade, que se manifestou nas pequenas coisas, sofreu com a tuberculose que lhe causaria sua morte precoce aos 27 anos de idade. Foi canonizada em 1925, e declarada padroeira das missões junto com São Francisco Xavier. Em 1898 foi publicado pela primeira vez “História de uma Alma”. Ela deixa o exemplo de que não é necessário fazer coisas grandiosas e extraordinárias para se chegar à santidade, mas sim viver bem aquilo que nos é proposto em nossas vidas tendo sempre nosso olhar voltado para o céu, de onde Santa Teresinha olha e roga a Deus por nós. Quero ser como Santa Teresinha um brinquedo velho nas mãos do Menino Jesus, do qual ele faça o que lhe agradar.

Santa Terezinha do Menino Jesus continue a interceder a Deus no céu por todas as vocações. Que o Senhor do mesmo modo que fez à sua Florinha Branca, possa nos regar e adubar, para que possamos ser fortalecidos na fé e no Amor à Deus.

Luiz Felipe dos S. Montecinos

Retirado de: http://encontrodivino.blogspot.com/2010/05/historia-de-uma-alma-santa-teresinha-do.html

23 de out de 2010

Quanto tempo você tem?













A vida é breve. O tempo foge...
Quanto tempo ainda temos para amar o próximo?
.
"Não espere as pessoas morrerem, irem embora...Não espere o definitivo bater na sua porta. Nós não conhecemos a vida e não sabemos o que virá amanhã. Viva como se fosse o último dia de sua história. Se hoje você tivesse que realizar a sua última ceia, porque é conhecedor de que hoje é o último dia de sua vida, certamente você não teria tempo pra pressa. Você celebraria até o fim, e gostaria de ficar ao lado de quem você ama.
,
Viver o Cristianismo é fazer a dinâmica da Última Ceia todos os dias. Viva como se fosse o último dia da sua vida; como se fosse a última oportunidade de amar quem você ama, de olhar nos olhos de quem pra você é especial."
.
(Padre Fábio de Melo)

22 de out de 2010

Nem mais nem menos















"Como o Bom Deus é bom!... Envia as provações na medida de nossas forças."
(Santa Terezinha do Menino Jesus e da Sagrada Face)

15 de out de 2010

Vídeo da homilia do Pe. José Augusto, dia 05 de outubro de 2010.

http://www.youtube.com/watch?v=IIu-RkdEjpM


Padre José denuncia as intenções do PT em implantar o Comunismo no Brasil. O vídeo que havia sido censurado desde o dia 05/10, pelo governo, pode se tornar público outra vez, depois de um juiz considera-lo como opinião particular do padre e que ele tem direito de expressa-la.

Obs: Caso o vídeo não abra, clique no ícone e assista diretamente do site You Tube.

É preciso denunciar o erro!

http://www.youtube.com/watch?v=znfZ623Oug4

12 de out de 2010

Pedido à Nossa Senhora



















Acolha nossos pedidos em teu coração, ó Mãe!

Qual a sua posição?

http://www.youtube.com/watch?v=lU6Br--AuuY

Não consegui baixar o vídeo, então, convido a você que visita este blog para ouvir o que o Padre Leo já falava e denunciava sobre o PT, na pessoa do sr. Presidente e sobre as reais intenções do governo Lula a respeito do ABORTO.
.
.
"O que adianta dizer que o Brasil é o maior país católico do mundo (...) o Congressao está estudando a possibilidade de fazer aborto de graça nos hospitais públicos. (...) Como é que nós queremos ver Jesus se nós estamos matando, transformando mães em assassinas (...). Se Jesus não ocupar o centro da sua vida, n/ao se diga católico (...)".
.
Não podemos ficar em cima do muro... Precisamos nos pocisionar!

9 de out de 2010

Notícias da Igreja

CNBB divulga nota sobre momento eleitoral no país








Da Redação, com Assessoria CNBB







A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou uma nota nesta sexta-feira, 8, sobre o momento eleitoral vivido pelo país. Os bispos congratularam-se com o povo brasileiro por sua participação nas votações do primeiro turno, e também pelos "benefícios decorrentes da aprovação da Lei da Ficha Limpa".


Porém, a CNBB lamentou que o nome da instituição e da própria Igreja Católica "tenha sido usado indevidamente ao longo da campanha, sendo objeto de manipulação". "Certamente, é direito - e, mesmo, dever - de cada Bispo, em sua Diocese, orientar seus próprios diocesanos, sobretudo em assuntos que dizem respeito à fé e à moral cristã", destacou.

A nota conclui incentivando os eleitores a exercerem sua cidadania neste segundo turno e, ressalta que, "a CNBB não indica nenhum candidato", recordando que "a escolha é um ato livre e consciente de cada cidadão". "Diante de tão grande responsabilidade, exortamos os fiéis católicos a terem presentes critérios éticos, entre os quais se incluem especialmente o respeito incondicional à vida, à família, à liberdade religiosa e à dignidade humana", enfatiza.


Leia a nota na íntegra


Nota da CNBB em relação ao Momento Eleitoral


A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, por meio de sua Presidência, congratula-se com o Povo Brasileiro pelo exercício da cidadania na realização do primeiro turno das eleições gerais, quando foram eleitos os representantes para o Poder Legislativo e definidos os Governadores de diversas unidades da Federação, bem como o nome daqueles que serão submetidos a novo escrutínio em 2º turno, para a Presidência da República e alguns governos estaduais e distrital.


A CNBB congratula-se também pelos frutos benéficos decorrentes da aprovação da Lei da Ficha Limpa, que está oferecendo um novo paradigma para o processo eleitoral, mesmo se ainda tantos obstáculos a essa Lei tenham de ser superados.

Entretanto, lamentamos profundamente que o nome da CNBB - e da própria Igreja Católica - tenha sido usado indevidamente ao longo da campanha, sendo objeto de manipulação. Certamente, é direito - e, mesmo, dever - de cada Bispo, em sua Diocese, orientar seus próprios diocesanos, sobretudo em assuntos que dizem respeito à fé e à moral cristã. A CNBB é um organismo a serviço da comunhão e do diálogo entre os Bispos, de planejamento orgânico da pastoral da Igreja no Brasil, e busca colaborar na edificação de uma sociedade justa, fraterna e solidária.

Neste sentido, queremos reafirmar os termos da Nota de 16.09.2010, na qual esclarecemos que "falam em nome da CNBB somente a Assembléia Geral, o Conselho Permanente e a Presidência". Recordamos novamente que, da parte da CNBB, permanece como orientação, neste momento de expressão do exercício da cidadania em nosso País, a Declaração sobre o Momento Político Nacional , aprovada este ano em sua 48ª Assembléia Geral.

Reafirmamos, ainda, que a CNBB não indica nenhum candidato, e recordamos que a escolha é um ato livre e consciente de cada cidadão. Diante de tão grande responsabilidade, exortamos os fiéis católicos a terem presentes critérios éticos, entre os quais se incluem especialmente o respeito incondicional à vida, à família, à liberdade religiosa e à dignidade humana.


Confiando na intercessão de Nossa Senhora Aparecida, invocamos as bênçãos de Deus para todo o Povo Brasileiro.


Brasília, 08 de outubro de 2010


P. nº 0849/10






Dom Geraldo Lyrio Rocha


Arcebispo de Mariana


Presidente da CNBB






Dom Luiz Soares Vieira


Arcebispo de Manaus


Vice-Presidente da CNBB






Dom Dimas Lara Barbosa


Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro


Secretário Geral da CNBB
.